30 de março de 2014

Resenha: A Queda do Governador, Parte 1

Titulo: The Walking Dead: A Queda do Governador, Parte 1
Título Original: The Walking Dead: Fall of the Governor – Part 1
Volume: 3
Autor: Robert Kirkman e Jay Bonansinga
Editora: Galera Record
Ano: 2014
Páginas: 265
ISBN: 9788501100665
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Após conquistar milhões de fãs ao redor do mundo e vender mais de 200 mil exemplares apenas no Brasil, a franquia de zumbis mais celebrada da década está de volta. O terceiro — e último — livro, "The Walking Dead - A Queda do Governador", promete contar em detalhes o destino desse que é o personagem mais controvertido em um mundo dominado por mortos-vivos. Com seu senso doentio e muito particular de justiça, ele força prisioneiros a lutarem contra zumbis em uma arena, para delírio dos moradores entediados.  No primeiro volume, "A Ascensão do Governador", descobrimos como ele se tornou esse homem e qual a origem de suas atitudes extremas. Já no segundo, " O Caminho Para Woodbury", acompanhamos suas interações com os moradores. E do que ele foi capaz para que a cidade murada fosse um local seguro no qual as pessoas pudessem viver em paz em meio ao apocalipse zumbi. E do que um grupo de humanos errantes é capaz para alcançar esse aparente paraíso.
 A vida segue para os moradores de Woodbury, ainda liderados pelo "rei" autoproclamado e autodenominado de Governador. Philip Blake como é conhecido originalmente é um dos sobreviventes do catastrófico apocalipse zumbi e que viu sua vida se desintegrar por completo, perdendo tudo e todos que tinha, fazendo emergir seu lado sombrio e repulsivo. Perdeu todos, inclusive Penny, sua filha que depois de morta e transformada em zumbi, ele a cria às escondidas com esperanças de que ela possa voltar a vida.

 O terceiro livro da série engloba a vida dos dois personagens principais de ambos livros antecessores: Além de Philip como já foi citado, Lili Caul. Lili, depois de perder seus melhores amigos e aliados, ainda não sabe em quem confiar. O medo e as incertezas ainda a rodeiam, principalmente no que se diz respeito a Woodbury e ao Governador. Lili mais uma vez é uma personagem sem sal. Não faz o leitor se apegar a ela em momento nenhum, ainda que os fatos tenham tendencia a isso. Falta emoção e até sensibilidade da forma que ela é abordada na estória.

 Dessa vez, Kirkman "pegou leve" com a zumbizada, que não são tão exploradas como nos outros livros, dando assim enfase aos personagens centrais da trama além de entrelaçar diretamente a estória com os fatos já apresentados nas HQs publicadas, como a presença de personagens como Michonne, Glenn e o principal da trama no contexto geral, Rick Grimes. Isso, que poderia ser (e é) algo relativamente interessante e importante para a sobrevida da estória, termina se tornando um repeteco para aquele que como eu já viram metade do livro acontecer nas HQs.

 O livro dessa vez aborda mais o lado emocional e as relações humanas que ainda vivem dentro de cada cidadão, diferentemente do outros dois livros que favorecem principalmente a sobrevida deles. De leitura rápida, A Queda do Governador não é um livro surpreendente para quem já conhece a estória e creio que não seja empolgante para quem não está habituado com o enredo, ainda que eu tenha gostado dele.

 Um ponto negativo que venho ressaltar e que nada tem haver com o enredo, é a edição que eu comprei. Sim, dei-me o desprazer de comprar a Edição Econômica em uma daquelas revistas de cosméticos conhecida e que vende livros (essa mesmo), e não sei afirmar se é falha deles ou da própria Editora Record, que fizeram um livro pífio até para os padrões de edição econômica que já estamos acostumados. Folhas extremamente finas, capa mole demais e lombada torta. Enfim, por mais que seja mais barato, NÃO COMPREM A EDIÇÃO ECONÔMICA! #FicaDica

Série The Walking Dead:

1. A Ascensão do Governador [Resenha]
2. O Caminho Para Woodbury [Resenha]
3. A Queda do Governador, Parte 1

29 de março de 2014

Conheça as 5 incríveis previsões de Júlio Verne que se tornaram reais

Para relembrar o aniversário de falecimento de Júlio Verne, em 24 de março de 1905, destacamos algumas ideias revolucionárias do escritor, autor de 20 mil Léguas Submarinas, precursor da ficção cientifica e visionário à frente de seu tempo.

O SUBMARINO ELÉTRICO
Em Vinte Mil Léguas Submarinas, romance de 1870, o Capitão Nemo atravessa oceanos a bordo do Nautilus, um submarino bastante semelhante aos atuais.

O NOTICIÁRIO
No manuscrito recuperado O Dia de um Jornalista Americano em 2889, Júlio Verne prevê não somente a existência da televisão, como também um de seus programas mais importantes na comunicação mundial: o noticiário. Ele imaginava que, no futuro, “as notícias serão divulgadas através de conversas com repórteres, estadistas e cientistas.”

A VIDEOCONFERÊNCIA
Um dos métodos mais eficientes de comunicação utilizado por pessoas do mundo inteiro também foi antecipado pelo gênio francês, sob o nome de “fonotelefoto”. Em sua imaginação, Júlio Verne o descreveu como um sistema de comunicação interpessoal a distância, que transmitiria as imagens por espelhos conectados por fios.

INTERNET
Em 1863, Júlio Verne previu que, em algum lugar do futuro, o mundo utilizaria uma rede mundial de comunicações, que descreveu como uma espécie de “telégrafo mundial”.

VIAGEM À LUA
Júlio Verne não foi o primeiro homem ou escritor a relatar viagens ao espaço ou, mais especificamente, à Lua. No século XVII, o magnífico Savinien de Cyrano também havia antecipado a fantástica aventura. Júlio Verne, no entanto, aprofundou bastante a tecnologia que seria utilizada para chegar até a Lua no romance À Volta da Lua. Nele, descreveu naves impulsionadas pela luz, o que atualmente é a energia solar, além de naves lançadas por projéteis que venceriam a gravidade da Terra. Ou seja, foguetes.

26 de março de 2014

Biografia: Ernest Hemingway

 Ernest Miller Hemingway (★ Oak Park, 21 de Julho 1899 — ✝ Ketchum, 2 de Julho 1961) foi um escritor norte-americano. Foi Romancista, novelista, jornalista e escritor, sendo um dos principais representantes do ciclo literário norte-americano iniciado nos anos 20, o da "geração perdida".

24 de março de 2014

"Game of Thrones" pode parar nos cinemas

Fonte: Omelete
 George R.R. Martin falou ao Hollywood Reporter sobre a possibilidade da série de TV Game of Thrones baseada nos livros de "As Crônicas de Gelo e Fogo" chegar ao cinema.

 "Tudo depende de quanto tempo a série ficará no ar. Vamos durar sete anos? Vamos até oito? Vamos até a décima temporada? Os livros ficam cada vez mais grandiosos. Talvez seja preciso um filme para juntar as coisas, algo com um orçamento de US$ 100 milhões por duas horas. Esses dragões ficam cada vez maiores, sabe?", explicou o escritor.

 Outra possibilidade cinematográfica seria As Aventuras de Dunk e Egg, série de prelúdios escritos por Martin envolvendo um grupo de personagens, entre eles Sor Duncan, o Alto, que viveu na mística Westeros 90 anos antes dos acontecimentos de Game of Thrones. "Isso poderia ser a base de um filme. Tenho escrito essas histórias, tenho cerca de mais uma dúzia". Segundo Martin, alguns dos personagens do prelúdio são ancestrais diretos de personagens da saga principal, mas ele não revela nomes. O escritor já falou sobre uma possível adaptação do mesmo prelúdio à TV.

 O quarto ano de Game of Thrones na TV estreia simultaneamente no Brasil e EUA em 6 de abril.

15 de março de 2014

Resenha: A Última Casa da Rua

Título Original: House at the End of the Street
Autores: Lily Blake, David Loucka, Jonathan Mostow
Ano: 2012
Editora: Id Editora
Páginas: 184
ISBN: 9788516072902
Avaliação: ★★★
Sinopse: Em busca de uma nova vida, a jovem Elissa e sua mãe encontram a casa dos sonhos em uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos. A cidade tem um mistério. Um assassinato aconteceu bem na casa ao lado. Uma garota matou os pais de forma brutal e desapareceu. Hoje, quatro anos depois, apenas Ryan, o misterioso irmão mais velho, mora sozinho naquela mesma casa, sombria e esquecida no tempo. Indo contra tudo e contra todos, Elissa acaba se envolvendo amorosamente com o estranho rapaz. O que ela não sabe é o quão perigoso esse jogo pode se tornar...


  Elissa estava levando uma vida nada legal nos últimos meses em Chicago: o divórcio de seus pais foi o principal impulsionador disso. A cada dia que passava, seu pai e xodó não mais a procurava com a mesma frequência e ela estava cada vez mais distante de sua mãe.

  Para tentar dar uma reviravolta em suas vidas turbulentas, Sarah (mãe de Elissa) decidiu alugar uma casa num subúrbio de Seatle, buscando um recomeço e maior aproximação da sua filha. A adaptação aquele lugar foi rápida até demais

  Tudo normal, não fosse a má fama de uma das casas vizinhas a sua nova residencia: Há quatro anos, uma garotinha caiu do balanço enquanto brincava, batendo gravemente a cabeça no chão, fato este que deixou graves sequelas na criança. Depois disso, ela passou a ter crises de "loucura", fazendo os pais abdicarem de tudo para cuidar dela. Seu irmão mais velho foi mandado para morar com a tia e eles largaram o emprego. Num desses ataques psicóticos, ela assassinou os pais com um martelo, fugiu para a floresta e nunca mais foi vista. Hoje, quatro anos mais tarde, seu irmão voltou a morar sozinho naquela "casa mal-assombrada".

 Mesmo desprezado por todos, Elissa logo descobre o lado bom de Ryan, tornando-se então sua única amiga, ainda que uma aura de mistério e segredos rodeassem o rapaz. É nesse ritmo que a estória começa a ganhar corpo e aos poucos as coisas tornam-se perceptíveis e eletrizantes. O contrário do que muitas pessoas creem, não há nada de sobrenatural nesse livro mas sim um "terror" psicológico (suspense), que convenhamos geralmente prende muito mais do que o terror propriamente dito.

  Ainda que desenvolva-se muito rapidamente e tenha um contexto meio vazio e diálogos mornos, é um enredo interessante principalmente quando os segredos do passado de Ryan e sua irmã começam a ser revelados. O livro é uma adaptação do filme homônimo e não sei dizer se isso contribuiu para ser um dos poucos casos que o "filme é melhor que o livro", especialmente por vermos os sentimentos (mais diversos) dos personagens sendo expostos pelos atores, coisa que só acontece no livro através de Elissa, fazendo dos demais algo mecanizado. 

  Livro curto que pode ser lido em poucas horas e que não é ruim, porém nada demais. Quatro estrelas pela ação, duas pelo desenvolvimento e média três pela obra como todo. 

8 de março de 2014

Top 5: Heroínas

A cada dia mais as mulheres estão tomando conta do mundo literário, seja como escritoras, leitoras e personagens principais que, há propósito, será o assunto a ser tratado hoje no Top Five do blog nessa data especial para as Elas: O dia da mulher.

 Pensando nisso, decide selecionar aquelas 5 personagens principais (ou que exerçam papeis importantes/fundamentais) em obras literárias. Mulheres que deixaram de ser apenas peças frágeis e sentimentalistas (excessivamente falando), passando a buscar seus ideais e impor seu valor. Claro, não foi uma tarefa fácil já que o leque de opções é vasto. Por fim, eis as escolhidas:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...