25 de agosto de 2012

Wishlist #1

Depois de uns dias de pausa nas atualizações do blog (por estar atarefado a semana inteira), resolvi criar esse novo quadro no Cantina do Livro: Lista de Desejos (ou Wishlist), colocando em enfase alguns livros que estão no meu topo de "preciso ter".

01. O Retorno do Jovem Príncipe - A. G. Roemmers

Sinopse: Ao viajar sozinho no vazio da Patagônia, um homem maduro encontra um adolescente desacordado e o socorre. Quando o rapaz acorda, o homem percebe que não se trata de um jovem qualquer, mas de um famoso príncipe que cresceu e resolveu revisitar o planeta Terra. Os dois viajantes embarcam num diálogo denso que aborda as grandes questões existenciais. Assim, a viagem de carro se transforma em uma autêntica trajetória espiritual, que abrange a transição da inocência à maturidade, do cotidiano ao transcendente e da tristeza à alegria
Confesso que logo que ouvi sobre a existência desse livro meu primeiro comentário foi: "mais um querendo fazer sucesso a custa dos outros." Depois de ler muitas criticas e resenhas sobre a obra, despertou uma certa curiosidade. Sou fã da "versão original" de Antoine de Saint-Exupéry, mais um agravante para querer saber como seria a volta do principezinho à terra.

02. Os 13 porquês - Jay Asher

Sinopse: Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.


Com uma sinopse dessas e 10 páginas lidas (aquele famoso "leia aqui o primeiro capítulo de tal livro") não há como não criar vontade em ler. Depois a surpresa: Mais um livro que irá migrar para as telas dos cinemas. Espero já ter lido até lá.

03. Assassin's Creed: Irmandade - Oliver Bowden

Sinopse: Roma, outrora poderosa, jaz em ruínas. A cidade está impregnada de sofrimento e degradação, os seus cidadãos vivem sob a sombra da impiedosa família dos Bórgia. Apenas um homem poderá libertar o povo da tirania Bórgia: Ezio Auditore, o Mestre Assassino. A demanda de Ezio irá testá-lo até aos seus limites. César Bórgia, um homem mais malévolo e perigoso que o seu pai, o Papa, não descansará enquanto não tiver conquistado Itália. Nestes tempos tão traiçoeiros, a conspiração está por todo o lado, até no meio da própria Irmandade...
 Baseado no épico game Assassin's Creed II que marca o início da série ambientados na Renascença, promete fortes emoções ao lado de Ezio. Mesmo não sendo a favor da nova moda de adaptar games para os livros, Irmandade tem todo um enredo histórico e cultural que merece a adequação.

Tentarei fazer um esforcinho a mais esse mês para adquirir pelo menos um dos três citados, isto é, se houver tempo para isso.

Para finalizar, gostaria de anunciar a vocês a nova página do CdL no facebook: https://facebook.com/CantinaDoLivro ! Curtam a vontade.

18 de agosto de 2012

Batalha das Capas: Percy Jackson e o Ladrão de Raios

Aproveitando o aniversário de 19 anos do personagem fictício Percy Jackson (de Rick Riordan), resolvi hoje selecionar algumas capas do primeiro livro da série Percy Jackson & Os Olimpianos, "O Ladrão de Raios". Resolvi selecionar algumas (que chamaram minha atenção por algum motivo ou outro).


1 - Capa Alemanha / 2 - Capa Brasil / 3 - Capa China
4 - Capa EUA (Especial) / 5 - Capa Itália / 6 - Capa Reino Unido

Particularmente, a que mais gostei (independentemente da "série completa"), foi a capa Alemã. Pelo conjunto da obra, a brasileira ganha a preferencia.


12 de agosto de 2012

Resenha: A Menina Que Não Sabia Ler

Título/Título Original: A Menina Que Não Sabia Ler (Florence and Giles)
Editora: LeYa
Autora: John Harding
ISBN: 978-85-629-3611-1
Ano: 2010
Avaliação: ★★★★

Sinopse: Em uma distante e escura mansão, onde nada é o que parece, a pequena Florence é negligenciada pelo seu tutor e tio. Guardada como um brinquedo, a menina passa seus dias perambulando pelos corredores e inventando histórias que conta a si mesma, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que um dia Florence encontra a biblioteca proibida da mansão. E passa a devorar os livros em segredo.Mas existem mistérios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Quem eram seus pais? Por que Florence sonha sempre com uma misteriosa mulher ameaçando Giles, seu irmão caçula? O que esconde a srta. Taylor? E por que o tio a proibiu de ler? Florence precisa reunir todas as pistas possíveis e encontrar respostas que ajudem a defender o irmão e preservar sua paixão secreta pelos livros – únicos companheiros e confidentes – antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário. Ou será que tudo isso não seria somente delírios de uma jovem com muita imaginação?
Review: 07/03/2014


  A história se passa na Inglaterra no ano de 1981. Florence, uma garota de doze ano e seu irmão Giles, quatro anos mais novo, vivem "abandonados" pelo seu tutor e tio, em uma mansão distante de tudo e todos e são criados pela governanta (Sra. Grouse) e alguns outros empregados contratados por ele, cujo Florence nunca conheceu pessoalmente. Por algum motivo, o tão distante tio, não permite que ela aprenda a ler.

  Carecida de valores morais e de convívio social, sem expectativas para o futuro, Florence encontra casualmente uma biblioteca dentro de sua própria casa passando esta a ser seu refúgio. Mergulhada no mundo literário, ela aprende a ler por si mesmo (autodidata), não esquecendo de manter seu mais novo segredo guardado a sete chaves. Enquanto isso, Giles, que havia sido mandato para um internato, foi "devolvido" por não conseguir adaptar-se ao convívio (Se é que pode-se resumir os motivos assim).

  O livro começa a ganhar um ar de suspense, a partir da segunda parte, onde Giles e Florence ganham uma nova preceptora: Srta. Taylor, uma mulher fria e cheia de segredos que pode fazer movimentar as engrenagens dos mistérios que se escondem naquela velha casa. Ela substitui a Srta. Whitaker, morta tragicamente.

Capa Original
  Posso dizer, sem medo de erra que John Harding acertou em cheio em suas escolhas. Primeiro ponto positivo do livro é o fato que a narradora da história é a própria Florence. Sendo assim, nós leitores só ficamos a par do que acontece com base no conhecimento dela. Fatos do passado que se desdobram no presente, transpassando os sentimentos de medo, angústia, mistério envolvidos num ar sombrio proporcionados por ela.

  Outro fato que chamou bastante minha atenção positivamente foi o fato de não termos certeza se o que ocorria no livro tratava-se de vida real ou mera imaginação de Florence. Mesmo depois de terminar a leitura, algumas incógnitas continuam vagando no ar.

 Li pela primeira vez o livro e não me cativou tanto (até pelo fato de ter acabado de ler "A menina que roubava livros", esperava algo de mesmo impacto) e até por isso resolvi reler. Hoje, dois anos depois da primeira leitura, a reviravolta do meu conceito perante ao livro é eminente. Florence e o desastroso Giles passaram a ser uma das minhas duplas de personagens preferidas, exatamente por suas respectivas características pessoais (não deixando os fatos finais do livro influenciar no resultado)

  O que pesou sobre o livro é o final. Algumas pontas soltas (por exemplo em relação ao tio, e principalmente sobre a Srta. Taylor e a Sra. Whitaker, o que aconteceu com seu "amor" Theo) não me agradaram tanto. Mas é a mente de uma garota não tão normal assim, logo levo isso em consideração. Para não spoilear (Shakespeareando, como diz a Florence - Criando palavras), não aprofundarei nessa conclusão. 

9 de agosto de 2012

22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo


 Começa nessa quinta-feira (9) a 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. O evento reunirá 480 expositores no pavilhão de exposições do Anhembi, na Zona Norte da cidade, até o dia 19 de agosto. A expectativa é que 800 mil pessoas visitem o espaço de 60 mil metros quadrados, participem das palestras, visitem os estandes das editoras participantes e conheçam novos escritores.


 Além disso, o Brasil chega a marca de oficialmente cerca de 200 festivais e feiras literárias, segundo calendário organizado pela Fundação Biblioteca Nacional (FBN).

 Como destaque, há um aumento considerável do número de expositores internacionais: 134 ao todo, o dobro do de 2010. O crescimento reforça o caráter "internacional" e indica o aumento do interesse da indústria estrangeira no mercado de livros do Brasil, comentou Juan Pablo De Vera, um dos organizadores do evento, em coletiva de imprensa na semana passada.

 Dentre os escritores convidados da Bienal 2012, estão Cecily Von Ziegesar, autora dos livros da série "Gossip girl", e o autor chileno Alejandro Zambra, de "Bonsai", um dos nomes mais importantes da literatura latino-americana atual e que esteve recentemente na Festa Internacional do Livro de Paraty (Flip). 
Homenagens 
Nesta sua 22ª edição – cujo tema central é “Livros transformam o mundo, livros transformam pessoas” –, o evento presta três homenagens: a Jorge Amado (1912-2001) e Nelson Rodrigues (1912-1980), que completariam cem anos de idade justamente neste mês de agosto, e aos 90 anos da Semana de Arte de 22.

22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo 
Quando: de 9 a 19 de Agosto de 2012
Onde: Pavilhão de Exposições do Anhembi
Endereço: Av. Olavo Fontoura, 1.209 - Santana.
Horário: das 10h às 22h (até 18 de agosto); das 10h às 20h, com entrada até as 18h (dia 19 de agosto).
Ingressos: R$ 12 (com meia-entrada)
Onde comprar: no local ou nas lojas Fnac.
Mais informações: Site , @bienaldolivrosp e /Bienaldolivrosp

Professores, profissionais da cadeia produtiva do livro, bibliotecários, estudantes inscritos pelo sistema de visitação escolar programada, maiores de 60 anos e crianças com até 12 anos não pagam.

Fonte: G1 e Jornal do Brasil (Adaptado)

1 de agosto de 2012

Resenha: A Teia da Aranha

Título: A Teia da Aranha (Spider's Web)
Editora: L&PM
Autora: Agatha Christie
ISBN: 978-85-254-1775-6
Ano/Edição: 2008, 1ª Edição
Avaliação: ★★★
Sinopse: Como foi que aquele corpo apareceu na sala da casa de campo do distinto casal Henry e Clarissa Hailsham-Brown? A chuvosa tarde de março decorria tranqüila, e nenhuma das pessoas lá presentes parecia ter interesse no crime. Acreditando tratar-se de um acidente, Clarissa decide esconder o cadáver. Está às voltas com a penosa tarefa quando surge o inspetor Lord, um diligente policial que recebeu um telefonema denunciando o homicídio.

Review: 05/03/2014




  Em uma passagem a SEBO, avistei esse livro jogado (literalmente) de lado e decidi trazer-lo para ler, até por que se tratava de um livro de Agatha Christie e o titulo chamou atenção. Logo nas primeiras linhas, as surpresas me desagradaram um pouco: Primeiro, Poirot não existia no livro (nem Miss Marple). Depois que a obra tratava-se de um romance escrito para o teatro que foi adaptado aos livros por Charles Osborne. Ou seja, a Agatha não teve nenhuma influencia direta na publicação livro. Com o decorrer do livro, o preconceito foi embora.

  A história inicia com um grupo de amigos, degustadores de vinhos, que acabaram de ser enganados por Clarissa Hailsham-Brown (mulher de Henry Hailsham-Brown), na qual havia colocado o mesmo vinho em garrafas diferentes com intuito de fazer uma "pegadinha" com os amigos. Clarissa, como descrita nas primeiras páginas do livro, é bem humorada, tem um poder de persuasão e despreocupada. Henry, pede para que ela organize as coisas em casa pois haveria uma importante reunião naquele recinto. É nesse clima de descontração e animosidade que a história segue, até quando a própria Clarissa perdida em seus pensamentos encontra um cadáver (mais precisamente de Oliver Costello) na sua sala. O mistério propicio das obras da Agatha apresentam-se a partir dai. Porque aquele corpo estava ali? Porque o carro de Costello que aparentemente tinha ido embora a um tempo ainda estava no local (mais precisamente num campo de golfe)? Quem é o assassino?

  O livro encaminha-se bem, superou de certo modo minhas expectativas, porém não achei o final legal. Não teve o impacto que esperava que poderia acontecer. Quanto ao assassino não falarei muito, mas também deixou a desejar. Não é nenhuma grande obra da Agatha, mas para quem curte livros policiais, eu indico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...